O que é Tumor no Cérebro?


O termo "tumor" se refere a um aumento excessivo de tecido em alguma área do corpo. No cérebro acontece quando uma massa de células cresce de forma anormal no cérebro, levando à compressão e lesão de outras células saudáveis.

Os Tumores no Cérebro podem ser diagnosticados como benigno, com pouca chance de se espalhar, ou maligno, com mais chance de se disseminar.

Existem diversos tipos de tumores cerebrais com diferentes denominações, que vão de acordo com o tipo de célula atingida. Os mais comuns são os gliomas, tumores das células da glia que atacam o sistema nervoso central do indivíduo.

Estes são responsáveis por mais da metade dos tumores cerebrais em adultos, mas ainda existem outros tipos, como os meningiomas, tumores das meninges, os meduloblastomas, tumores do cerebelo, e os craniofaringiomas de origem epitelial que surgem ao longo do ducto craniofaríngeo.

O tumor também pode atingir o cérebro vindo de outra parte do corpo, são os chamados tumores secundários ou metastáticos que, geralmente, originam dos pulmões ou da mama. Esses são mais comuns que os primários, acontecem em aproximadamente 25% das pessoas com câncer em outra região. Isso ocorre quando as células cancerígenas de algum outro órgão do corpo caem na corrente sanguínea e se instalam em algum outro órgão, nesse caso o cérebro.

Segundo a Sociedade Americana de Câncer, a cada ano aumentam mais os diagnósticos detumor no cérebro, que podem aparecer em qualquer idade, porém, seguindo uma média nos adultos de 40 a 70 anos, e nas crianças entre três (3) e 12 anos.

neurocirurgia funcional

neurocirurgia funcional

Tratamentos para Tumor no Cérebro:

O tratamento para um Tumor no Cérebro depende de seu tamanho, local e tipo, assim como da saúde da pessoa e idade. A equipe de médicos envolvida no tratamento do tumor no cérebro pode incluir um neurologista, um oncologista e um neurocirurgião. Os principais métodos de tratamento incluem a cirurgia, a radioterapia e a quimioterapia. Muitas vezes, uma combinação de tratamentos é usada, como cirurgia e radioterapia sinergicamente.

Antes do tratamento do Tumor no Cérebro, podem ser administradas drogas como corticosteróides, para reduzir o inchaço do tecido cerebral, bem como podem ser prescritas drogas anticonvulsivantes, com propósito de prevenir ou controlar os ataques epiléticos relacionados aos tumores.

Cirurgia:

Quando possível, a cirurgia é a primeira linha de tratamento e pode remover algunstumores no cérebro benignos e malignos. Os meningiomas, alguns ependimomas, gangliogliomas, e astrocitomas de cerebelo (área do cérebro responsável pelo equilíbrio) são tratados com cirurgia. Até mesmo se o tumor não puder ser removido por inteiro, por estar preso a um tecido cerebral vital, é comum a retirada parcial, para ajudar a reduzir a pressão intracraniana e aliviar os sintomas.

Em alguns casos os Tumores no Cérebro não podem ser removidos, ou a cirurgia é considerada arriscada demais. Em tais casos, uma biópsia pode ser feita para ajudar a determinar se outros tratamentos mais efetivos. Na biópsia, um pedaço pequeno de tecido é removido para ser examinado em um laboratório.

A Cirurgia Estereotáxica é especialmente útil para alcançar tumores localizados profundamente dentro do cérebro, e também para ajudar a definir os limites do tumor de forma que o tecido cerebral normal seja afastado. Isto baixa a chance de efeitos colaterais e de lesões cerebrais durante a neurocirurgia. A biópsia estereotáxica é realizada com uma pequena incisão no crânio do paciente, onde é introduzida uma agulha para biópsia do tumor ou até drenagem de coágulos e cistos.

Radioterapia:

A radioterapia, que usa raios potentes para matar células cancerosas, é frequentemente utilizada após a cirurgia para ajudar a remover células que restam e não puderam ser removidas. Considerando que as altas doses de radiação podem danificar o tecido cerebral normal, o oncologista especializado em radioterapia tenta mirar as doses altas de radiação em direção ao tumor, com doses mais baixas possíveis para áreas ao redor do cérebro. A radioterapia também pode ser dada colocando-se um material radioativo diretamente no tumor.

Quimioterapia:

A quimioterapia pode envolver uma droga ou uma combinação de drogas anticâncer, normalmente é tomada por via oral ou através de injeção. Os linfomas cerebrais respondem muito bem à quimioterapia, como também à radioterapia.

Para mais informações acesse Neurocirurgião em Porto Alegre.

IMPORTANTE: As informações contidas neste site têm caráter informativo e educacional e de nenhuma forma devem ser utilizados para autodiagnóstico, autotratamento ou automedicação. Quando houver dúvidas, um médico deverá ser consultado. Somente ele está habilitado para praticar o ato médico, conforme recomendação do Conselho Federal de Medicina.